Arnold Hauser

O Hungaro-Britânico Arnold Hauser escreveu sobre a historia da arte. Entre seus trabalhos, o principal é A História Social da Arte e Literatura , que causou grande controvérsia quando foi editado em inglês nos anos 50 por causa de sua orientação política. Não causaria tal controvérsia entre os anos 60 e 70, quando a visão marxista ganhou grande popularidade entre os pesquisadores acadêmicos. Entretanto, o marxismo começou a perder sua atração entre intelectuais antes mesmo do colapso da União Soviética e como consequência, os historiadores da arte pós-moderna raramente fazem referências aos estudos de Hauser.

    "A arte genuína, progressiva pode somente significar uma arte complicada hoje. Nunca será possível para todos apreciá-la de maneira igual, mas a grande parte da massa que está excluída pode ser inclusa, desde que hajam pré-condições de afrouxar do monopólio cultural que são sobretudo econômicos e sociais. Não podemos fazer outra exceto essa luta para a criação de tais pré-condições. " ( da Historia Social da Arte e Literatura, o vol. 4)

Arnold Hauser estudou a historia da arte e da literatura nas universidades de Budapeste, Viena, Berlim e Paris. Em Paris seu professor foi Henri Bergson que o influenciou profundamente. Após a Primeira Grande Guerra Hauser passou dois anos na Itália fazendo um trabalho de pesquisa da historia da arte clássica e italiana. Em 1921 mudou-se para Berlim quando desenvolveu sua visão de que os problemas a arte e a literatura são problemas fundamentalmente sociológicos. Três anos mais tarde estabeleceu-se em Viena e no ano de 1938 mudou-se novamente desta vez para Londres, onde começou as pesquisas para sua grande obra A Historia Social da Arte, cujo trabalho consumiu dez anos de intensa dedicação. Durante este período Hauser escreveu alguns ensaios sobre cinema como: A vida e as letras hoje e A visão e o som . No início dos anos 50 foi professor visitante na Universidade de Brandeis nos Estados Unidos e a partir de 51 se tornou professor da Historia da Arte na Universidade de Leeds.

O último livro de Hauser, A Sociologia da Arte (1974) investigou as determinantes sociais e econômicas da arte. Sua sugestão de que a arte não reflete meramente mas interage com a sociedade é uma premissa extensamente aceitada. Viu também como a arte do establishment e a arte revisionista servia a interesses comerciais. Como em sua Historia Social da Arte, a aproximação de Hauser com a visão eurocentrista o fez não dar muita atenção à arte não ocidental.

A Historia Social da Arte e Literatura (1950) foi resultado de trinta anos do trabalho acadêmico. Seguiu a produção da arte de Lascaux à idade do cinema na estrutura de mudanças das forças socio-históricas. Hauser inicia seu trabalho com um ataque à doutrina neo-romântica da origem religiosa da arte, indicando que "os monumentos da arte primitiva... sugerem claramente... que o naturalismo tem a reivindicação prévia, de modo que se tornasse mais e mais difícil manter a teoria da primazia de uma arte remota sobre a vida e a natureza." Theodor Adorno anota em sua Teoria Estética (1997) que "as manifestações artísticas mais arcaicas são tão difusas que é tão difícil quanto fútil tentar decidir de uma vez o que é e o que não é arte." Hauser separa a mágica da religião e assume ser um "caçador paleolítico e pintor que está possuído pela própria coisa retratada, acredita que essa coisa retratada vence o retratista."

A tese de Hauser era que a forma e o conteúdo têm relação direta com as circunstâncias materiais concretas e o desenvolvimento cultural. Esta aproximação marxista foi rejeitada por críticos da direita, mas tiveram que admitir que os julgamentos estéticos de Hauser não eram tão radicais. Ele não considerava a relação entre o trabalho artístico e as forças sociais como de uma correspondência individual simples. Uma política artística conservadora pode quebrar convenções reacionárias e dogmas. De acordo com Hauser, "cada artista honesto que descreve a realidade fielmente e sinceramente tem influência esclarecedora e emancipadora em seu tempo" nisso Hauser remete à análise da Comédia Humana de Balzac feita por Engels . Mas Dickens é um outro caso: "... todos os personagens deste naturalista são caricaturas, todas as características da vida real exageradas... tudo é transformado em melodrama com relacionamentos simplificados e esteriotipados e situações estilizadas."

De acordo com Hauser, a separação da arte sagra da profana ocorreu na idade neolítica. Arte profana, provavelmente devido a sua restrita relação com a destreza manual, ficou inteiramente nas mãos das mulheres. As idades heroíca e homérica significaram a volta decisiva para o sistema social da monarquia na qual há a lealdade pessoal dos vassalos a seu senhor. Um tipo novo de homem apareceu em cena - o artista com uma personalidade marcadamente individual, porém a independência econômica estava fora de questão. Na Idade Média a ênfase estava não no gênio pessoal do artista, mas na sua habilidade. A produção impessoal dominou a arte.

Com o aumento da demanda por trabalhos artísticos no Renascimento, houve a ascensão do artista, de artesão insignificante, segundo a burguesia, a condição de trabalhador intelectual livre. O conceito do gênio aparece. Shakespeare olhou para baixo e viu as grandes massas com um sentimento do superioridade e produziu seus dramas onde claramente revela a luta entre a Coroa, a classe média e o aristocracia. Gradualmente a burguesia se apossou de todos os instrumentos da cultura. Rousseau foi o primeiro a revelar isso: foi de encontro à razão dominante pois viu no processo de intelectualização, também um processo de segregação social.

Depois da Revolução Francesa artistas e escritores criaram seus próprios padrões e seus trabalhos os colocaram em estado de tensão e de oposição ao público. Com Byron a inquietação e a falta de propósitos transformaram-se numa praga. A teoria "Arte pela Arte" deu expressão romântica à oposição ao mundo burguês, antes Flaubert e Baudelaire, por outra via, fechados em suas torres do marfim, começaram a refletir uma atitude conservadora. Sob o ponto de vista absolutamente da verdade e da beleza, a alienação dos intelectuais dos casos práticos era visível. Os boêmios emergiram como caricatura da "intelligentsia". Na Rússia a liderança intelectual passou para as mãos da elite cultural e lá permaneceu até Revolução Bolchevique. O filme significou uma tentativa de produzir arte para massas e de dar cumprimento ao romantismo social.

     
Digite aqui seu
E-mail para receber notícias de filosofia!



Se acaso qualquer informação do site estiver equivocada, por favor avise-nos que corrigiremos