Livre-Arbítrio

A vontade é um ato ou ação, e nisso distingue-se do livre-arbítrio, faculdade própria do homem que, pelo fato de possuir a razão, ou pela capacidade de ser racional, é capaz de escolher entre várias possibilidades.

Livre-arbítrio é o poder de agir de determinada forma, ou deixar de agir, sem nenhuma razão para tal escolha a não ser o próprio alvedrio. Presume portanto a escolha dirigida pela vontade: o indivíduo age de certa maneira porque assim quer e sente-se responsável pelo ato praticado. A expressão liberum arbitrium foi muito usada pelos teólogos cristãos. Para alguns doutores da igreja, como santo Agostinho, distingue-se do conceito de libertas (liberdade), que é o estado de bem-aventurança eterna, no qual não é possível pecar. Por ser a capacidade de escolher entre o bem e o mal, o livre-arbítrio é "a faculdade da razão e da vontade, por meio da qual escolhe-se o bem, mediante o auxílio da graça, e o mal, pela ausência dela".

Para que o livre-arbítrio seja exercido em sua plenitude não deve haver impedimentos externos ao movimento. Essa afirmação é válida tanto para a liberdade de palavra, quanto para a de ação ou de crença. Em certos casos, presume-se que a liberdade não pode ser exercida: quando é fisicamente impossível realizar a ação em perspectiva (evitar adormecer quando o sono é incontrolável) e quando o agente é premido por um condicionamento psicológico inevitável (nos quadros neuróticos ou psicóticos, por exemplo). Em outras situações, diz-se que a margem de atuação do livre-arbítrio é reduzida: quando agimos contrariamente a nossa vontade, para cumprir uma obrigação legal ou moral; quando estamos sob forte pressão emocional ou sob efeito de hipnose ou lavagem cerebral; quando sob chantagem ou tortura.

Para santo Tomás de Aquino, embora o livre-arbítrio pareça designar um ato, ele é na verdade uma potência ou faculdade, por meio da qual podemos julgar livremente. Assim sendo, tal potência não pode ser confundida com o hábito nem com nenhuma força a ele submetida ou ligada.

     
Digite aqui seu
E-mail para receber notícias de filosofia!



Se acaso qualquer informação do site estiver equivocada, por favor avise-nos que corrigiremos